Granjas & Manejo

Manejo e cuidados na criação de frangos de corte com foco em prevenir quadros de aerossaculite

Para ler mais conteúdo de aviNews Brasil 1T 2022

A incidência de condenação durante a inspeção no frigorífico de aves de corte pode ser usada para fornecer uma medida quantitativa a respeito da frequência e severidade do evento e sua associação a fatores de riscos na granja, em trânsito ou em nível de processamento.

aerossaculiteLesões detectadas durante o abate são classificadas usando uma lista definida de razões, produzindo resultados compostos de condenação para lotes de frangos de corte (Buzdugan et al., 2020; Van Limbergen et al., 2020).

As causas mais comumente identificadas são:

Aerossaculite

Boehringer Brasil

Artrite/tenossinovite

Dermatose

abvista BR
HENDRIX br
Boehringer Brasil

Síndrome ascítica

Caquexia, entre outros (Belintani et al., 2019; Muchon et al., 2019)

Uma das causas relacionadas com o aumento das condenações foi a intensificação da produção de frangos de corte, que contribuiu com o surgimento de causas patogênicas e/ou não patogênicas que provocam lesões identificadas durante o abate.

Os quadros de síndrome respiratória envolvendo aerossaculites têm se mostrado presentes nos plantéis de frango de corte no decorrer do último ano.

manejo aerossaculiteRelatos de diferentes agroindústrias sobre o tema, aliados ao aumento significativo de condenações parciais de carcaças atribuídas a esta causa nos abates, foram rotineiros e impactantes nas indústrias de frango de corte, especialmente aquelas situadas no Estado do Paraná.

manejo aerossaculite

Frente ao quadro supracitado, grande está sendo o empenho dos profissionais da área na busca das causas com o intuito de mitigar a crescente problemática, visando recuperar o status original de saúde animal do plantel avícola, bem como minimizar as perdas por rendimento e por descartes.

manejo aerossaculite

Figura 1: Setas apontando opacidade e espessamento dos sacos aéreos com acometimento por pequenos focos de exsudato caseoso com deposição de material ibrinoso amarelado em carcaça de frango de corte. Fonte: SILVA et al., 2011.

 

A aerossaculite pode ter início quando ocorre uma irritação ou agressão da mucosa do trato respiratório, predispondo ao surgimento das infecções virais, fúngicas ou bacterianas (Silveira et al., 2018).

Nos quadros que compunham a referida síndrome, foi possível observar a presença de diferentes graus de achados macroscópicos que permitem classificar a intensidade do envolvimento de aerossaculite.

A aerossaculite é um quadro associado ao trato respiratório inferior das aves e é definida como inflamação de um ou mais sacos aéreos. As alterações macroscópicas podem ser sacos aéreos opacos, com ou sem material caseoso.

Graus considerados leves pressupõem uma pequena opacidade nos sacos aéreos, visualmente diferenciando da translucidez natural que este tecido fisiologicamente apresenta.

Graus moderados já contam com presença de conteúdo espumoso nestes sacos aéreos.

Grau severo de acometimento apresenta quadros já caseosos e com envolvimento de contaminações secundárias.

aerossaculite

Figura 2: Ave acometida de grau severo de aerossaculite, presença de cáseos ao abate.

Como a idade das aves sindromáticas e a manifestação dos quadros nos diferentes plantéis não se apresenta como um padrão de igual patogenia, várias frentes de diagnóstico foram conduzidas no intuito de elucidar e combater tal síndrome.

aerossaculiteDentre os achados de análises dos lotes houve predominância do envolvimento do vírus da Bronquite infecciosa das aves (IBV), que quando classificado, apresentou envolvimento de cepas virais de campo e vacinais, classificadas como BR e Mass, além do envolvimento de uma nova variante de outro genótipo.
Estudos ainda estão sendo conduzidos para elucidar se o envolvimento desta variante distinta pode reproduzir os quadros de aerossaculite, bem como se os imunizantes atualmente utilizados possuem cobertura protetiva para a referida estirpe viral.

Neste ínterim, o que se observa é que, toda vez que um fator imunossupressor atua em um plantel, a severidade das lesões se manifesta e os danos em saúde (morbidade e mortalidade), condenações e em desempenho zootécnico são contundentes.

O vírus da bronquite infecciosa das aves possui tropismos diferentes e isso está relacionado com a particularidade de cada genótipo ou variante. Há aqueles que são mais respiratórios, outros que tem tropismo mais renal ou reprodutivo, e até mesmo alguns que estão envolvidos em desordens entéricas (Gallardo, 2021).

Por isso o IBV é um agente que tem que ser pesquisado nos quadros de aerossaculite para entender até que ponto há seu envolvimento, além do conhecimento epidemiológico das cepas envolvidas para implantar medidas de biosseguridade, como programas vacinais mais específicos para as variantes envolvidas.

Para atuar no reestabelecimento da saúde animal e na mitigação das perdas, estes “fatores imunossupressores e predisponentes” na criação foram elencados, visando padronizar a melhor maneira de atuar neles e desta forma evitar que a patologia se instale nos plantéis.

aerossaculite
Assim, de uma maneira prática, o manejo para o combate à aerossaculite foi embasado nos principais ofensores do bem estar das aves e das condições de saúde.

Alojamento de pintos de corte de origem única

aerossaculiteEntende-se por origem única a menor mistura possível de origem de reprodutoras que irá formar o lote de pintos de um dia alojados em um mesmo galpão ou Unidade epidemiológica.

A origem única entende-se como:

Formação dos lotes de corte provenientes de um único lote de matrizes;

Lotes de matrizes com idades semelhantes (compreendendo um agrupamento máximo de 10 semanas de idade. Exemplo: de 26 a 36 semanas, de 36 a 46 semanas, etc.);

Lotes de mesma linhagem;

Ovos e pintos da mesma Unidade produtiva;

Ovos de mesma qualidade/procedência.

Alojamento e abate de frangos de corte, por microrregião

aerossaculite

Entende-se por microrregião o conglomerado de galpões coexistentes em um raio de 5 km. Em especial consideramos uma microrregião clássica aquela formada por produtores grandes, proprietários de vários galpões de corte próximos na mesma propriedade.

A microrregião deve compreender Unidades epidemiológicas com múltiplos galpões, bem como Unidades epidemiológicas diferentes e vizinhanças com até 5 km de distância.

São premissas da microrregionalização:

Qualidade de ovos e qualidade de pintos de um dia

aerossaculite

Análise da cadeia anterior. Garantia de padronização e qualidade de ovos e de pintos de um dia, evitando a contaminação e mortalidade inicial dos lotes.

Para esse item deve-se checar:

Check operacional de vacinação e avaliação sorológica do complexo respiratório nas matrizes

Gestão e Monitoria e Qualidade dos Ovos

Gestão de ovos de cama

Gestão de estoque de ovos

Gestão de aclimatação e ambiência da sala de expedição de pintos

Avaliação da qualidade do pinto

Gestão de transporte (monitoramento das temperaturas do baú durante entregas).

Operação de vacinação no incubatório inspecionada

Check e avaliação da operação de vacinação respiratória nos incubatórios, garantia de eficácia e padronização da operação vacinal.

aerossaculite

Vazio sanitário mínimo

Atendimento de intervalo sanitário mínimo de 12 dias, bem como todas as premissas de operação de vazio sanitário baseadas na descontaminação das instalações.

aerossaculite

Fluxo de visitas/Biosseguridade

Atendimento de premissas de hierarquia de visitas com o intuito de reduzir o risco de contaminações e disseminação de problemas. A partir do momento onde for identificada mortalidade, sintoma e lesões de ordem respiratória, tais lotes devem ser tratados como últimos na hierarquia sanitária de visitas.

Premissas de intervalo sanitário atendidas conforme diretrizes da integradora

Cama seca, altura atendida e manejo adequado

A premissa de cama seca é fundamental para os primeiros dias de vida da ave, evitando a formação de gases e por consequência evitando a destruição da mucosa respiratória do animal.

aerossaculite

Atender o alojamento das aves somente com qualidade superior das camas, com limite de 15 cm de altura da cama, remover cascões, laterais e umidade.

Qualidade de água e manejo padrão da água de bebida

Avaliar as condições da água de bebida de forma a garantir a qualidade superior de água.

aerossaculite

Seguir as premissas de qualidade de água:

Aquecimento e ventilação adequados

Seguir os padrões recomendados a cada faixa de idade das aves e garantir a execução.

 

 

 

Acompanhamento das faixas de mortalidade

aerossaculite Para avaliação e acompanhamento de ações na mortalidade dos lotes, é necessário realizar o acompanhamento diário do incremento de mortos/eliminados, pelo menos até os 15 dias de vida.

Dessa forma é possível estratificar as causas e entender se está relacionado à qualidade de pintos ou à qualidade de ambiência/sanidade dos lotes.

Investigação epidemiológica e diagnóstico dos lotes acometidos

Nos lotes acometidos com mortalidade acima de 8%, realizar:

Através do acompanhamento minucioso dos itens de manejo e biosseguridade, é possível minimizar o risco de imunossupressão e exposição aos agentes causadores de aerossaculite. Destarte minimizar condenas e perdas nos abates das aves.

aerossaculite
nutron
cobb br
Siavs Br-br
abvista BR
MAIS SOBRE Granjas & Manejo

ESCUTA A REVISTA EM agriFM

agriFM

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE AVÍCOLA

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Os podcasts do setor agrícola em português
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agrícolaagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor agrícola e da pecuária