06 set 2021

O que a alta umidade do milho pode causar em uma granja de poedeiras comerciais?

A determinação correta do teor de umidade do milho é de extrema importância para o controle de qualidade e o produtor deve evitar o recebimento do grão com umidade acima 14%. Veja o que dizem os especialistas da Agroceres Multimix!

O que a alta umidade do milho pode causar em uma granja de poedeiras comerciais?

Na produção de poedeiras a nutrição fornecida para as aves é um dos principais fatores que influenciam no sucesso da criação, pois deve atender as exigências das poedeiras para que não afete negativamente o desempenho.

A ração é considerada o item mais caro da atividade, com valores que podem representar 70 a 80% do custo de produção.

O milho é o insumo mais utilizado nas rações, sendo a principal fonte de energia nas dietas das aves, compondo aproximadamente 65% da ração.
Dessa forma, o uso de grãos com grandes variações qualitativas gera a necessidade de:

Ajustes dos níveis nutricionais e

Inclusões de aditivos nas rações como, por exemplo, adsorventes e ácidos orgânicos

O que impacta financeiramente o processo produtivo.

A obtenção de grãos de alta qualidade depende de diversos fatores, como:

Continua después de la publicidad.

Características da espécie e da variedade,

Condições ambientais durante o seu desenvolvimento,

Época e procedimento de colheita,

Método de secagem e

Práticas de armazenagem (Brooker et al., 1992).

umidade do milho

Contaminantes

No recebimento do grão de milho na granja é necessário o controle dos padrões de qualidade e possíveis contaminantes presentes no milho que são tóxicas aos animais e que podem prejudicar o desenvolvimento e desempenho das aves, como, por exemplo as sementes de:

umidade do milho

Sendo indispensável a garantia da qualidade para que se forneça uma ração que atender as necessidades nutricionais das aves.

Variáveis químicas e bromatológicas

Com relação às variáveis químicas e bromatológicas, os principais parâmetros avaliados são:

Umidade

Fibra bruta

Proteína bruta

Extrato etéreo

Presença de micotoxinas (Aflatoxinas e Fumonisinas)

A Instrução Normativa no60, de 22 de dezembro de 2011, elaborada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, estabelece o Regulamento Técnico do Milho e tem por objetivo definir o padrão oficial de classificação do grão, ou seja, como os grãos de milho são classificados em todo o Brasil.

De acordo com esta normativa, os grãos de milho ideais devem chegar à fábrica de ração:

Fisiologicamente desenvolvidos

Limpos e secos

Apresentando percentual máximo de umidade de 14% (MAPA, 2011)

Abaixo, na Tabela 1, estão apresentadas as tolerâncias estabelecidas nesta Instrução Normativa.

umidade do milho

Densidade

umidade do milhoAlém da classificação dos grãos, outro parâmetro que nos orienta sobre a qualidade do milho é a determinação da massa específica ou densidade.

De acordo com Pomeranz et al. (1986), a densidade é reduzida com o aumento dos danos ocorridos nos grãos, pelo manuseio mecanizado e por outras situações de estresse.

Em concordância com estes autores, Alves et al. (2001) afirmaram que:

A massa específica diminui à medida em que se aumenta a umidade de colheita dos grãos e a temperatura do ar de secagem, resultando, assim, em uma quantidade menor de grãos por metro cúbico.

A análise da densidade é uma variável importante a ser analisada, pois:

Há alta correlação com contaminação por micotoxinas, além de

Um menor nível nutricional do grão.

A determinação correta do teor de umidade do milho é de extrema importância para o controle de qualidade e o produtor deve evitar o recebimento do grão com umidade acima 14%.

umidade do milhoPara isso é necessário que o equipamento utilizado para a medição da umidade seja validado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

Grãos de milho com teor de umidade acima de 14%, além de apresentarem baixa qualidade nutricional, possuem processo de moagem dificultado, pois exige mais dos moinhos, gerando um custo a mais de energia elétrica, fazendo com que o processo de elaboração da ração fique mais lento.

O excesso de umidade nos grãos representa um dos fatores que resultam na perda do produto devido à sua associação a outros fatores, como:

Temperatura,

Danos mecânicos e impurezas, além da

Umidade relativa do ar que influencia nas condições dos produtos armazenados.

umidade do milho

O ataque de insetos e de fungos também deteriora a qualidade dos grãos, que em uma massa com umidade e calor adequados, encontram ambiente ideal para a proliferação e consequente deterioração do produto armazenado (Weber, 1995).

Dessa forma, outro cuidado que o produtor deve ter é:

Caso ocorra o recebimento de grãos com alta umidade, estes devem ser utilizados o mais rápido possível e não devem ser armazenados juntos com os grãos com baixa umidade, pois o armazenamento de milho com teores de umidade acima do considerado ideal (12-13%) propicia a proliferação de fungos (Mantovani et al., 2015), principalmente dos gêneros Alternaria, Cladosporium, Fusarium, Helmintosporium, Aspergillus e Penicillium (Puzzi, 1986).

 

Jobim et al. (2001) e Martini et al. (2009) concordam que a alta umidade nos grãos promove a presença de fungos e micotoxinas. As micotoxinas estão ligadas diretamente a danos à saúde, tanto animal quanto humana, além de trazer grandes prejuízos econômicos (Amaral et al., 2006).

Segundo Stringhini et al. (2000) observaram que a presença de micotoxinas na dieta das aves ocasionou alterações metabólicas, fisiológicas e anatomopatológicas nos animais, comprometendo órgãos como o intestino, a moela e o fígado.

As micotoxinas de maior importância na avicultura são:

As aflatoxinas,

As fumonisinas,

A zearalenona,

O desoxinivalenol (também conhecido como DON ou vomitoxina),

A ocratoxina A e

A toxina T-2.

umidade do milho

A aflatoxina é uma das principais micotoxinas, sendo produzida principalmente pelos fungos Aspergillus flavus e A. parasiticus.

Pesquisas demonstram que as aflatoxinas são responsáveis por graves intoxicações e seu consumo pode causar câncer hepático em várias espécies, incluindo os seres humanos (Oliveira, 1997).

Em aves, os principais efeitos observados são a piora da conversão alimentar, lesões hepáticas e imunossupressão (Devegowda; Dawson, 2017).

De acordo com estes mesmos autores, a ocratoxina A é conhecida como a mais tóxica para as aves, causando lesões no fígado e rins e resultando em:

Redução de ganho de peso,

Retardo da maturação sexual e

Diminuição da produção de ovos.

umidade do milhoAs ocratoxinas são produzidas pelos fungos A. alutaceus e A. alliaceus, ocorrendo mais comumente em cereais e leguminosas.

Os autores relatam também que a toxina T-2 causa lesões orais e intestinais, além de quedas de produção e aumento do número de ovos trincados.

Esta toxina é produzida por fungos do gênero Fusarium, assim como as fumonisinas, que causam:

Perda de peso,

Diarreia,

Necrose hepática,

Hiperplasia biliar e

Lesões nas células epiteliais do intestino.

A vomitoxina (DON) pertence ao grupo dos tricotecenos, que inclui mais de 30 toxinas importantes. São produzidas por vários tipos de fungos, mas principalmente espécies do gênero Fusarium.

Nas aves, podem causar:

Nefropatia,

Imunossupressão,

Acentuada redução de peso,

Redução do ganho de peso,

Comprometimento do sistema imunológico e

Aumento do peso da moela.

umidade do milho

Já a zearalenona, é produzida por fungos do gênero Fusarium e Giberella, estando normalmente associada à ocorrência de fumonisinas.

Os principais sintomas de intoxicação por zearalenona são:

Baixo desempenho reprodutivo,

Imunossupressão,

Baixo consumo de ração e

Prolapso de cloaca (Devegowda; Dawson, 2017).

Alterações nutricionais dos grãos

umidade do milhoAlém desses impactos das micotoxinas sobre a saúde das aves, a presença de fungos pode também influenciar no valor nutritivo do grão de milho. Segundo Mazucco et al. (2002), muitos fatores podem influenciar a composição química e valor energético do milho, tais como:

Origem,

Variedade,

Processamento,

Ataque de pragas e

Doenças.

umidade do milhoOs mesmos autores salientam a escassez de informações sobre o valor nutritivo do milho quando os grãos estão infestados.

As alterações nutricionais dos grãos estão relacionadas às preferências dos insetos em consumir a parte relativa ao gérmen, sendo que o desenvolvimento dos fungos ocorre quando são maiores os níveis de gordura, culminando com maior consumo do substrato, sendo maior a prevalência de prejuízos causados por Aspergillus flavus (Stringhini et al., 2000).

Além da presença das micotoxinas, a presença de fungos pode resultar em:

Perda de peso,

Redução da relação peso/volume e

Alteração da composição bromatológica dos grãos de milho (Stringhini et al., 2020).

Os fungos absorvem os nutrientes dos alimentos para sobreviver, diminuindo o valor nutritivo dos grãos e da ração para as aves. Essa alteração depende principalmente da espécie do fungo, da umidade e do tempo de armazenamento da ração.

Existe uma relação entre o crescimento dos fungos e a diminuição do nível energético do alimento, que pode causar a perda de amido e, especialmente, de óleo (aviNews, 2017).

A realização da colheita dos grãos em condições climáticas desfavoráveis leva à necessidade de secagem, provocando reduções no conteúdo de energia metabolizável, que podem chegar até 300kcal/kg (Carvalho et al., 2004).

No gráfico abaixo podemos observar a redução do valor energético do milho (kcal/kg), em função do teor de umidade do grão:

Pensando nessa redução de energia no grão de milho pela ocorrência da alta umidade, é necessário ajuste da matriz nutricional do milho nas formulações das rações, caso não seja feito esse ajuste:

As aves consumirão dietas com valores superestimados de energia,

umidade do milhoPodendo causar piora no desenvolvimento das frangas e queda na produção dos ovos.

Ao realizar os ajustes nutricionais das fórmulas das dietas, verificamos um impacto considerável no custo das rações para manter os níveis adequados para bom desempenho das aves.

Considerando os preços médios atuais de matérias- primas, no gráfico abaixo é exemplificado o aumento do custo em uma fórmula de postura na fase de produção de ovos, devido à perda de energia por conta da umidade no grão de milho.

Há um impacto maior no custo da ração a partir de 15% de umidade no milho, pois é necessário suplementar a fórmula com óleo degomado de soja, matéria-prima de custo elevado, para fornecer o nível exigido de energia pelas aves.

Dessa maneira, é de grande importância o controle da qualidade das matérias- primas que entram na granja, para uma maior biosseguridade e qualidade das rações, pois se produzidas com ingredientes de baixa qualidade, podem:

Causar queda no desenvolvimento e desempenho das aves,

Menor produção e

Piora na qualidade dos ovos com consequente aumento no custo de produção.

umidade do milho

Referências Bibliográficas

ALVES, W.M. et al. Qualidade dos grãos de milho em função da umidade de colheita e da temperatura de secagem. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. Campina Grande, v.5, n.3, p.469-474, 2001.

AMARAL, K. A. S. Aflatoxinas em produtos à base de milho comercializados no Brasil e riscos para a saúde humana. Revista Ciência e tecnologia de alimentos. Campinas, v. 26, n.2, p. 336-342, jun. 2006.

AVINEWS BRASIL. Micotoxinas nas aves, considerações técnicas. 2017. Disponível em: <https://avinews.com/pt-br/micotoxinas-nas-aves/>. Acesso em: 11 jun. 2021.

BROOKER et al. Drying and storage of grains and oilseeds. New York: van Nostrand Reinhold, 1992. 450p.

CARVALHO et al. Composição química e energéticas de amostras de milho submetidas a diferentes temperaturas de secagem e períodos de armazenamento. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 33, n. 2, p. 358-364, 2004.

DEVEGOWDA, G; DAWSON, K. Impacto das micotoxinas na saúde e desempenho produtivo de aves. In: BENNERT , Catarina. Micotoxinas: impacto na produção de aves. [S. l.], 30 jul. 2017. Disponível em: https://silo.tips/download/ micotoxinas-impacto-na-produao-de-aves#. Acesso em: 10 jun. 2021

JOBIM, C.C., GONÇALVES, G.D., SANTOS, G.T. Qualidade sanitária de grãos e de forragens conservadas “versus” desempenho animal e qualidade de seus produtos. Maringá: UEM/CCA/DZO, 2001, p. 242-261.

MANTOVANI, E.C. et al. Cultivo do milho. Embrapa Milho e Sorgo. 2015.

MAPA. Instrução Normativa n° 60, de 22 de dezembro de 2011.

MARTINI, R. E.; PRICHOA, V. P.; MENEGAT, C. R. Vantagens e desvantagens da implantação de silo de Armazenagem de grãos na granja de Martini. Revista de administração e ciências contábeis do Idea. Getulio Vargas, v.4, n.8, 2009.

MAZZUCO, H. et al. Composição Química e Energética do Milho com Diversos Níveis de Umidade e Diferentes Temperaturas de Secagem para Frangos de Corte. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v. 31, n. 6, p. 2216-2220, nov. 2002.

OLIVEIRA, C.A.F.G., P.M.L., Aflatoxina M1 em leite e derivados: ocorrência no Brasil e aspectos relativos à legislação. Hig. Aliment. 11, 22-25, 1997.

POMERANZ, et al. Test weight, hardness and breakage susceptibility of yellow dent corn hybrids. Cereal Chemistry, St. Paul, Minnesota, v.63, n.4, p.349-351, 1986.

PUZZI, D. Abastecimento e armazenagem de grãos, Campinas-SP: Instituto Campineiro de Ensino Agrícola. 1986. 603p.

STRINGHINI, J. H. et al. Efeito da Qualidade do Milho no Desempenho de Frangos de Corte. Revista brasileira de zootecnia. Goiania, v. 29, n.1, p. 191-198, 2000.

STRINGHINI, J. H. et al. Qualidade do milho na ração de aves. In: Qualidade do milho na ração de aves. NutriNewsBrasil, 15 out. 2020. Disponível em: https:// nutrinewsbrasil.com/qualidade-do-milho-na-racao-de-aves/. Acesso em: 10 jun. 2021.

WEBER, E. A. Armazenagem Agrícola. 1. ed. Porto Alegre: Kepler Weber Industrial, 1995. 395 p.

Relacionado com Nutrição Animal

MAIS CONTEÚDOS DE

Dados da empresa

REVISTA AVINEWS BRASIL

Assine agora a melhor revista técnica sobre avicultura

EDIÇÃO aviNews Brasil 3T 2022
Destinação correta das aves de descarte de reprodução, matrizes e de postura de ovos comerciais no final do ciclo

Destinação correta das aves de descarte de reprodução, matrizes e de postura de ovos comerciais no final do ciclo

Gustavo Triques
Importância da monitoria dos programas vacinais de Gumboro e Newcastle: Qual melhor momento da rotação de programa?

Importância da monitoria dos programas vacinais de Gumboro e Newcastle: Qual melhor momento da rotação de programa?

Tobias Filho
ICC: a inovação que alimenta o amanhã

ICC: a inovação que alimenta o amanhã

A importância dos dados Zootécnicos para as granjas produtoras de ovos

A importância dos dados Zootécnicos para as granjas produtoras de ovos

Diogo T. Ito
Vigilance Program uma poderosa ferramenta contra a Escherichia coli patogênica aviária

Vigilance Program uma poderosa ferramenta contra a Escherichia coli patogênica aviária

Fabrizio Matté
Alternativas de cereais para substituição parcial do milho na ração de aves – Parte II

Alternativas de cereais para substituição parcial do milho na ração de aves – Parte II

Dr. Elir Oliveira
Protocolo vacinal no incubatório e uniformidade do lote ampliam a produtividade avícola

Protocolo vacinal no incubatório e uniformidade do lote ampliam a produtividade avícola

Joyci Torres
EVANOVO®, a vacina que vai revolucionar a prevenção da Coccidiose aviária

EVANOVO®, a vacina que vai revolucionar a prevenção da Coccidiose aviária

Você está pronto para a Transformação Digital na avicultura?

Você está pronto para a Transformação Digital na avicultura?

Vinicius Teixeira
Extensão Rural: a força que vem do campo!

Extensão Rural: a força que vem do campo!

Kali Simioni
6ª FAVESU destaca os desafios e as oportunidades da Avicultura Nacional

6ª FAVESU destaca os desafios e as oportunidades da Avicultura Nacional

Juliano Rangel
A promoção que apoia as exportações

A promoção que apoia as exportações

Isis Sardella
O compromisso setorial e o papel de cada elo no Brasil

O compromisso setorial e o papel de cada elo no Brasil

Luis Rua
A jornada da sustentabilidade nas propriedades avícolas

A jornada da sustentabilidade nas propriedades avícolas

Luciana Abeid Ribeiro Dalmagro
Produção com responsabilidade

Produção com responsabilidade

Cleber Souza Martins
Biosseguridade na avicultura

Biosseguridade na avicultura

Tabatha Lacerda
Diferença na Fisiologia Embrionária entre as linhagens de Matrizes pesadas

Diferença na Fisiologia Embrionária entre as linhagens de Matrizes pesadas

Guilherme Seelent
Por que medir a taxa de fluxo (vazão) do bebedouro Nipple?

Por que medir a taxa de fluxo (vazão) do bebedouro Nipple?

Como atender à crescente demanda por proteínas livres de antibióticos?

Como atender à crescente demanda por proteínas livres de antibióticos?

Patrícia Marchizeli
Aerossaculite em frangos de corte: onde se iniciam e quais são os fatores envolvidos?

Aerossaculite em frangos de corte: onde se iniciam e quais são os fatores envolvidos?

Jorge Chacón

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE AVÍCOLA

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Os podcasts do setor agrícola em português
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agrícolaagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor agrícola e da pecuária