MSD Envolvente MSD Envolvente https://avinews.com/wp-content/uploads/2022/02/BANNERS_MSD_SALENVAC_120x870-1-1.jpg
04 set 2017

Impacto da temperatura do embrião na qualidade do pintinho

No artigo a seguir, a Cobb defende que o controle da temperatura da casca do ovo é um aspecto fundamental na qualidade do pintinho. Seu adequado monitoramento evita perdas durante a incubação e depois do nascimento.

Impacto da temperatura do embrião na qualidade do pintinho

Conteúdo disponível em:
Español (Espanhol)

Sem dúvida a temperatura é o fator mais crítico na incubação (Meijerhof, 2013). Vários experimentos e resultados de campo demonstraram que diferenças de frações de graus centígrados na temperatura influenciam o desenvolvimento embrionário (Romanoff, 1960), a eclodibilidade (Wilson, 1990), a qualidade do umbigo (Lourens et al., 2005, 2007; Hulet et al., 2007) e o desempenho pós-eclosão (Foote, 2014). A temperatura durante a incubação influencia o peso dos órgãos, desenvolvimento do sistema cardíaco, dos músculos e tendões (Oviedo-Rondón, 2014).

Entretanto, o fator determinante não é a temperatura do ar, mas a temperatura da casca, que é um reflexo da temperatura do embrião.

É considerado que temperaturas da casca entre 37,5 a 38,06°C (99,5 a 100,5°F) são ótimas para o desenvolvimento dos embriões (Oviedo-Rondón, 2014), segundo a Cobb as temperaturas ideais são de 100 a 100,5°F. Pol et al.,2014 relataram que embriões mantidos com temperatura de casca, Muito Alta – 39,4°C, durante a incubação, apresentaram menor comprimento de tíbia, fêmur e metatarso. Apresentaram ainda pior score de umbigo, menor comprimento corporal, menor peso, maior gema residual e estômago, fígado e coração menores.

HENDRIX br incubaforum

O desenvolvimento da bursa e do timo são reduzidos pelas temperaturas elevadas (37,8 vs 38,8°C, 40,1-40,6°C na casca, a 65 ± 2% de UR) durante a incubação (Oznurlu et al., 2010). Este efeito pode ser observado em pintos de uma semana pelos sintomas de imunossupressão. Altas temperaturas da casca durante a incubação (38.9°C) alteram o desenvolvimento do músculo cardíaco (Christensen et al., 2004b; Leksrisompong et al., 2007) e podem ocasionar hipertrofia ventricular direita e aumento da mortalidade especialmente causada por ascites (Molenaar et al., 2011).

Por outro lado, baixas temperaturas também provocam grandes perdas no processo de incubação (Hill, 2011). Baixas temperaturas irão prolongar o tempo de incubação, aumentando as mortalidades finais, gerando pintos atrasados, excesso de bicados, além de pintinhos com excesso de umidade, o que não é desejável.

Na figura 2, podemos observar a curva de produção de calor do embrião ao longo do processo de incubação. Nota-se que essa produção aumenta significativamente após os 10 dias de vida, atingindo seu ponto máximo no nascimento, sendo nos dias 18-19, antes da transferência os períodos críticos de manutenção da temperatura dentro dos parâmetros desejados.

Continua después de la publicidad.
cobb br
Boehringer Brasil
Vetanco BR
cargill
cobb incubacion temperatura 1

Existem disponíveis no mercado máquinas que possuem scanners que monitoram a temperatura de casca durante todo o processo de incubação, modulando a máquina para suprir adequadamente as necessidades do embrião, evitando assim estresse ao embrião. Essas ferramentas tornam mais fáceis essa tarefa, gestão dos dados e alcançar melhores resultados.

No entanto, as máquinas de estágio múltiplo não possuem essa ferramenta, e para monitorar a temperatura do embrião devemos utilizar um termômetro digital de ouvido, realizando as medições na parte superior, média e inferior das prateleiras, no fundo meio e frente da máquina, medindo cinco ovos por bandeja, com o intuito de mapearmos pontos com altas temperaturas, acima de 102°F e fazermos as correções necessárias.

O momento ideal de realizarmos essa medição é o mais próximo possível da transferência, que é o momento mais crítico de produção de calor, ou seja, 18 dias.

Com as informações coletadas, teremos uma visualização da situação da incubadora/carga de ovos e poderemos estimar quanto dos embriões estão submetidos a elevadas temperaturas e onde são os pontos críticos que devemos atuar, conforme observamos no gráfico 3.

cobb incubacion temperatura 2

Quando temos a situação demonstrada acima, com regiões da máquina acima de 102°F, teremos a janela de nascimento demonstrada no gráfico 4. Com uma janela de nascimento muito adiantada, com pintos nascidos 43 horas antes do saque, que consequentemente ficarão desidratados.

cobb incubacion temperatura 3

Na tabela 1 podemos observar a mortalidade de campo dos pintos expostos a temperaturas elevadas. Com mortalidades muito superiores aos pintos expostos a temperatura normal.

cobb incubacion temperatura 4

Além de influenciar em diversos aspectos o desenvolvimento do embrião, conforme mencionamos anteriormente, variações na temperatura de casca irão afetar diretamente a janela de nascimento, afetando assim a qualidade dos pintinhos. Embriões expostos a temperaturas elevadas irão nascer prematuramente, da mesma forma que embriões com temperaturas mais baixas, irão nascer tardiamente (Hill., 2011).

*Guilherme Seelent é assistente técnico da Cobb-Vantress

Referências bibliográficas

Relacionado com Incubação
Hansen
Evonik 0722
Siavs Br-br
abvista BR

REVISTA AVINEWS BRASIL

Assine agora a melhor revista técnica sobre avicultura

EDIÇÃO aviNews Brasil 3T 2022
Destinação correta das aves de descarte de reprodução, matrizes e de postura de ovos comerciais no final do ciclo

Destinação correta das aves de descarte de reprodução, matrizes e de postura de ovos comerciais no final do ciclo

Gustavo Triques
Importância da monitoria dos programas vacinais de Gumboro e Newcastle: Qual melhor momento da rotação de programa?

Importância da monitoria dos programas vacinais de Gumboro e Newcastle: Qual melhor momento da rotação de programa?

Tobias Filho
ICC: a inovação que alimenta o amanhã

ICC: a inovação que alimenta o amanhã

A importância dos dados Zootécnicos para as granjas produtoras de ovos

A importância dos dados Zootécnicos para as granjas produtoras de ovos

Diogo T. Ito
Vigilance Program uma poderosa ferramenta contra a Escherichia coli patogênica aviária

Vigilance Program uma poderosa ferramenta contra a Escherichia coli patogênica aviária

Fabrizio Matté
Alternativas de cereais para substituição parcial do milho na ração de aves – Parte II

Alternativas de cereais para substituição parcial do milho na ração de aves – Parte II

Dr. Elir Oliveira
Protocolo vacinal no incubatório e uniformidade do lote ampliam a produtividade avícola

Protocolo vacinal no incubatório e uniformidade do lote ampliam a produtividade avícola

Joyci Torres
EVANOVO®, a vacina que vai revolucionar a prevenção da Coccidiose aviária

EVANOVO®, a vacina que vai revolucionar a prevenção da Coccidiose aviária

Você está pronto para a Transformação Digital na avicultura?

Você está pronto para a Transformação Digital na avicultura?

Vinicius Teixeira
Extensão Rural: a força que vem do campo!

Extensão Rural: a força que vem do campo!

Kali Simioni
6ª FAVESU destaca os desafios e as oportunidades da Avicultura Nacional

6ª FAVESU destaca os desafios e as oportunidades da Avicultura Nacional

Juliano Rangel
A promoção que apoia as exportações

A promoção que apoia as exportações

Isis Sardella
O compromisso setorial e o papel de cada elo no Brasil

O compromisso setorial e o papel de cada elo no Brasil

Luis Rua
A jornada da sustentabilidade nas propriedades avícolas

A jornada da sustentabilidade nas propriedades avícolas

Luciana Abeid Ribeiro Dalmagro
Produção com responsabilidade

Produção com responsabilidade

Cleber Souza Martins
Biosseguridade na avicultura

Biosseguridade na avicultura

Tabatha Lacerda
Diferença na Fisiologia Embrionária entre as linhagens de Matrizes pesadas

Diferença na Fisiologia Embrionária entre as linhagens de Matrizes pesadas

Guilherme Seelent
Por que medir a taxa de fluxo (vazão) do bebedouro Nipple?

Por que medir a taxa de fluxo (vazão) do bebedouro Nipple?

Como atender à crescente demanda por proteínas livres de antibióticos?

Como atender à crescente demanda por proteínas livres de antibióticos?

Patrícia Marchizeli
Aerossaculite em frangos de corte: onde se iniciam e quais são os fatores envolvidos?

Aerossaculite em frangos de corte: onde se iniciam e quais são os fatores envolvidos?

Jorge Chacón

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE AVÍCOLA

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Os podcasts do setor agrícola em português
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agrícolaagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor agrícola e da pecuária