03 mar 2021

Cuidados para escolher a melhor vacina inativada contra Salmonella em aves

As vacinas são imunizantes cada vez mais valorizados devido ao excelente custo-benefício. Afinal, elas protegem os animais contra as doenças […]

Cuidados para escolher a melhor vacina inativada contra Salmonella em aves

As vacinas são imunizantes cada vez mais valorizados devido ao excelente custo-benefício. Afinal, elas protegem os animais contra as doenças e a prevenção normalmente é menos custosa que o tratamento. A Salmonella é uma das principais preocupações da avicultura nacional e também pode afetar as pessoas. Os produtos biológicos ganham cada vez mais relevância para combater essa doença. A ciência já conseguiu produzir diferentes tipos de vacinas – cada qual com seus cuidados específicos, desde o ciclo de produção ao período pós-aplicação. Todos estes cuidados são essenciais para garantir que os animais vacinados estejam, de fato, imunizados.

Um dos tipos de vacina disponíveis no mercado utiliza antígenos inativados, que são não-replicativos e podem ser vírus ou bactérias mortas, ou mesmo apenas fragmentos deles. Estas vacinas, diferentemente das que contêm o vírus ou a bactéria viva, não chegam a “imitar” as doenças, mas funcionam como ativadores do sistema de proteção do animal, criando uma memória imunológica.

vacinaA vacina inativada contém muito mais do que o antígeno. Ela é composta por muitos outros componentes, quase tão importantes quanto ele: são adjuvantes, conservantes e até mesmo resíduos do meio de cultura, cada um com sua função específica. Esses insumos podem necessitar de diferentes condições de armazenamento, via de aplicação, local de inoculação e até mesmo temperatura.

As condições de armazenamento preservam os componentes e a qualidade da emulsão vacinal. Esse fator é muito importante para minimizar o risco de contaminação do produto, visto que no frasco existe um meio rico que favorece a proliferação de microrganismos que, porventura, venham a contagiar a solução vacinal. Essa contaminação pode acarretar alterações químicas, como mudança de pH e perda de equilíbrio eletrolítico, e, dependendo do agente infectante, é possível ter quadros de reação no local de aplicação, além queda de produção ou mesmo mortalidade no lote.

Nesse sentido, os adjuvantes são essenciais na composição de vacinas inativadas, pois dificultam o processamento do antígeno pelas células que contenham outros antígenos. Dessa forma, também aumentam o período em que o microrganismo estará em contato com o sistema imune, melhorando a resposta imunológica. Essa tecnologia, portanto, aumenta a resposta imune das bactérias utilizadas, diminuem a quantidade necessária para ativar o sistema imunológico e, com isso, tornam o custo de produção mais baixo.

Muitos compostos são utilizados como adjuvantes (saponinas, óleos minerais etc), todos com a função de estimular a proliferação de linfócitos T (células com funções imunológicas) e provocar um processo inflamatório, que não pode ser exagerado, pois a resposta dos organismos a esta reação pode ser prejudicial ao animal e promover efeitos colaterais, como formação de granuloma, dor e desconforto local.

A temperatura de aplicação da vacina inativada também é um ponto crítico. Dependendo da natureza do adjuvante, a temperatura inadequada pode tornar a vacinação mais dolorosa e aumentar a injúria no local de aplicação. Os adjuvantes oleosos tendem a sofrer mais que os aquosos com a oscilação de temperatura, pois se tornam mais viscosos. Isso dificulta o processo de aplicação, pois além de aumentar a dor e a injúria local, tendem a forçar mais a mão do vacinador durante a vacinação.

Continua después de la publicidad.
Ceva
Hansen
Boehringer Brasil
Vetanco BR

vacina

Bactérias como a Salmonella necessitam de adjuvantes muito eficientes, pois são conhecidas por causar reações pós-vacinais severas. Nestes casos, adjuvantes de última geração compostos por um óleo mineral, com tensoativo não iônico oriundo do manitol, promovem resposta celular e humoral e aumentam a produção de Imunoglobulina G (IgG), mesmo para antígenos de baixa imunogenicidade. Além disso, por não conterem componentes de origem animal ou bacteriana, são considerados seguros para uso, mesmo em aves de produção. A viscosidade deste tipo de adjuvante também sofre menor impacto devido à variação de temperatura. Isso proporciona melhorias, que vão além da saúde e do bem-estar animal, facilitando o trabalho do vacinador durante a aplicação.

Vacinas multicepas contra a Salmonella têm maior ou menor grau de injúria local, dependendo da natureza do adjuvante e isso costuma ser proporcional a sua imunogenicidade – que é a capacidade de uma substância de provocar resposta imune. Nesse cenário, a vacina Salmin Plus, recém-lançada pela Phibro Saúde Animal, é a única do mercado com cepas de Salmonella do sorogrupo B, C e D, além de contar com adjuvante de última geração, que proporciona imunidade ampla e de longa duração com baixíssimo grau de reação no local de aplicação. Os cuidados com a vacina começam na sua escolha e resultam em qualidade e lucratividade para a avicultura.

Fonte: Texto Comunicação Corporativa

Relacionado com Patologia e Saúde Animal

MAIS CONTEÚDOS DE

Dados da empresa
abvista BR
cobb br
Evonik 0722

REVISTA AVINEWS BRASIL

Assine agora a melhor revista técnica sobre avicultura

EDIÇÃO aviNews Brasil 3T 2022
Destinação correta das aves de descarte de reprodução, matrizes e de postura de ovos comerciais no final do ciclo

Destinação correta das aves de descarte de reprodução, matrizes e de postura de ovos comerciais no final do ciclo

Gustavo Triques
Importância da monitoria dos programas vacinais de Gumboro e Newcastle: Qual melhor momento da rotação de programa?

Importância da monitoria dos programas vacinais de Gumboro e Newcastle: Qual melhor momento da rotação de programa?

Tobias Filho
ICC: a inovação que alimenta o amanhã

ICC: a inovação que alimenta o amanhã

A importância dos dados Zootécnicos para as granjas produtoras de ovos

A importância dos dados Zootécnicos para as granjas produtoras de ovos

Diogo T. Ito
Vigilance Program uma poderosa ferramenta contra a Escherichia coli patogênica aviária

Vigilance Program uma poderosa ferramenta contra a Escherichia coli patogênica aviária

Fabrizio Matté
Alternativas de cereais para substituição parcial do milho na ração de aves – Parte II

Alternativas de cereais para substituição parcial do milho na ração de aves – Parte II

Dr. Elir Oliveira
Protocolo vacinal no incubatório e uniformidade do lote ampliam a produtividade avícola

Protocolo vacinal no incubatório e uniformidade do lote ampliam a produtividade avícola

Joyci Torres
EVANOVO®, a vacina que vai revolucionar a prevenção da Coccidiose aviária

EVANOVO®, a vacina que vai revolucionar a prevenção da Coccidiose aviária

Você está pronto para a Transformação Digital na avicultura?

Você está pronto para a Transformação Digital na avicultura?

Vinicius Teixeira
Extensão Rural: a força que vem do campo!

Extensão Rural: a força que vem do campo!

Kali Simioni
6ª FAVESU destaca os desafios e as oportunidades da Avicultura Nacional

6ª FAVESU destaca os desafios e as oportunidades da Avicultura Nacional

Juliano Rangel
A promoção que apoia as exportações

A promoção que apoia as exportações

Isis Sardella
O compromisso setorial e o papel de cada elo no Brasil

O compromisso setorial e o papel de cada elo no Brasil

Luis Rua
A jornada da sustentabilidade nas propriedades avícolas

A jornada da sustentabilidade nas propriedades avícolas

Luciana Abeid Ribeiro Dalmagro
Produção com responsabilidade

Produção com responsabilidade

Cleber Souza Martins
Biosseguridade na avicultura

Biosseguridade na avicultura

Tabatha Lacerda
Diferença na Fisiologia Embrionária entre as linhagens de Matrizes pesadas

Diferença na Fisiologia Embrionária entre as linhagens de Matrizes pesadas

Guilherme Seelent
Por que medir a taxa de fluxo (vazão) do bebedouro Nipple?

Por que medir a taxa de fluxo (vazão) do bebedouro Nipple?

Como atender à crescente demanda por proteínas livres de antibióticos?

Como atender à crescente demanda por proteínas livres de antibióticos?

Patrícia Marchizeli
Aerossaculite em frangos de corte: onde se iniciam e quais são os fatores envolvidos?

Aerossaculite em frangos de corte: onde se iniciam e quais são os fatores envolvidos?

Jorge Chacón

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE AVÍCOLA

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Os podcasts do setor agrícola em português
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agrícolaagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor agrícola e da pecuária