Nutrição Animal

Evonik reforça otimismo para a Avicultura em 2023

PDF

Para ler mais conteúdo de aviNews Brasil 1T 2023

Com uma cadeia produtiva resiliente, a avicultura brasileira deve enfrentar neste ano desafios de custos, de acesso a aditivos importados e de manutenção do status sanitário privilegiado e oportunidades de aumento da eficiência produtiva e sustentabilidade na produção.

Apesar do cenário de incertezas com relação ao desempenho da economia mundial e seus impactos na produção animal, as perspectivas para este ano ainda são otimistas, defende o Vice-presidente da Linha de Negócios de Saúde e Nutrição Animal da Evonik para a Região Américas, Paulo Teixeira.

“A diversidade de países atendidos com produtos brasileiros é algo único mundialmente. Portanto, temos alternativas para escoamento de nossas proteínas se enfrentarmos um mercado local desaquecido e uma China menos atuante como importadora. Passamos por várias crises ao longo das últimas décadas e sempre encontramos alternativas de crescimento, o que tornaram o segmento mais forte e mais eficiente”, pontua.

Evonik otimismo avicultura

Paulo Teixeira, presidente da linha de negócios de saúde e nutrição animal para a região das Américas

“Não acreditamos em crescimento agressivo, pois o mercado aponta ainda para um ano difícil em muitas regiões, mas esperamos volume de produção acima de 2022, pois a recessão global que muitos aguardavam, ao que tudo indica, não será tão grave assim”, complementa.
Do lado dos desafios para 2023, o executivo destaca os custos de produção em patamares elevados, a instabilidade no acesso aos aditivos importados, essenciais para o bom desempenho da produção, a manutenção do status sanitário privilegiado da avicultura brasileira, livre das principais enfermidades, especialmente falando dos casos de influenza aviária que surgem cada vez mais próximos do Brasil, e, finalmente, a sustentabilidade de toda a cadeia de produção.

“Temos de estar preparados e trabalhar na busca da neutralidade das emissões de carbono, pois, se isso não acontecer, a tendência é de termos acesso cada vez mais restrito a mercados e todo o setor pode sofrer com isso”, afirma Teixeira.

“Se de um lado temos o desafio de reduzir custos, aumentar a eficiência produtiva e buscar uma produção sustentável, de outro lado temos uma vasta gama de soluções para contribuir nestas questões. Acreditamos que podemos colaborar com o setor no enfrentamento dos desafios mais importantes deste ano não apenas com nossos produtos, mas também com serviços e conhecimentos de nossos especialistas.”

Continue após a publicidade.
“Temos uma equipe altamente qualificada para auxiliar no ganho de eficiência, seja através da melhoria da qualidade de matérias-primas, seja na redução dos custos da ração ou mesmo no aumento da eficiência operacional dos sistemas produtivos. Além disso, temos um compromisso com a produção de proteína animal sustentável e por isso nos empenhamos em oferecer ao mercado produtos e soluções capazes de reduzir o impacto ambiental da produção animal”, disse.

Uma produção mais sustentável

Para o head de Sustentabilidade da Evonik na América Latina, Nei Arruda, a produção de proteína animal sustentável é o maior desafio global que enfrentamos.
“Uma população mundial em crescimento significa uma crescente demanda por alimentos, especialmente proteínas. Alimentar tantas pessoas com alimentos de qualidade requer uma produção alimentar eficiente e responsável”, disse o especialista apontando um levantamento das Nações Unidas que projeta uma população mundial de 9,7 bilhões de pessoas até 2050, o que representa um aumento de 25% em relação a 2020.

Evonik otimismo aviculturaDiante deste quadro, ele destaca o protagonismo do país. “O Brasil desempenha um papel muito importante no compromisso de alimentar a população global em ascensão.

No entanto, ameaças globais, como as mudanças climáticas, a escassez de água e a perda de biodiversidade têm sido considerados como pontos críticos e vêm sendo amplamente discutidos. Como produzir alimentos de forma eficiente e ao mesmo tempo reduzir a pegada ambiental? Este desafio alimentar global só tem uma resposta possível: a produção alimentar sustentável”, salientou Arruda.

De acordo com “Our World in Data”, a produção de alimentos representa 26% de todas as emissões de gases de efeito estufa (GEE). Deste total, 31% vêm da pecuária.

Neste cenário, Arruda defende que, para limitar o aquecimento global a 1,5 graus, é necessário tornar a agricultura mais eficiente e conseguir uma produção alimentar mais sustentável. “Em última análise, devemos produzir mais com menos. E a nutrição tem um impacto significativo na produção animal”.

“Uma análise de ciclo de vida (ACV) realizada na produção avícola americana menciona que 60% das emissões são ocasionadas pela alimentação das aves. Dessa maneira, a nutrição desempenha um papel fundamental para uma produção eficiente e sustentável através da otimização de custos de formulação, do atendimento aos requerimentos nutricionais dos animais e da redução da pegada ambiental da produção’, ressaltou.

“Uma redução proteica da dieta das aves com uso de aminoácidos cristalinos reduz a excreção de nutrientes, como o nitrogênio, além da redução de emissão de GEE. O mesmo vale com outros aditivos inovadores, como as enzimas, que proporcionam melhor aproveitamento dos nutrientes, reduzindo sua excreção no meio ambiente”.

Para Arruda, a rápida tomada de decisão com controle de qualidade, com uso de tecnologias como NIRs, levam a uma importante economia nas formulações, além de um melhor aproveitamento das matérias-primas, que também tem sido uma prática muito bem trabalhada pelos nutricionistas e alinhada com uma produção sustentável.

“O uso de alternativos aos promotores de crescimento, como probióticos, atende a essa necessidade do mercado e é condizente com uma das ODS, saúde e bem-estar”.

Ele salienta que a mensuração de pegada ecológica é uma das tendências mais importantes da produção avícola e uma necessidade do momento com o propósito de tornar a sustentabilidade mais tangível.

“Ferramentas de cálculo da pegada estão sendo trabalhadas. Elas utilizam ACV das matérias-primas das dietas, a origem, os dados de desempenho, além de outras informações, como o processo fabril das dietas. Essa transparência de medida e comunicação faz parte da marca inoSUST®da Evonik Nutrição Animal, que combina soluções e expertise dos profissionais da área de negócios para uma produção animal eficiente e sustentável”.

Investimentos para os desafios de 2023

Com o objetivo de contribuir com a cadeia como um todo, a companhia anunciou investimentos em uma nova unidade de produção de metilmercaptano em Mobile, Alabama, nos Estados Unidos, com inauguração prevista para 2024.

Teixeira explica que, com a integração reversa do metilmercaptano, a Evonik vai produzir todos os intermediários necessários para a produção de DL-Metionina em Mobile – como já é o caso nas demais plantas de produção de metionina da empresa na Antuérpia e Singapura.

“Este investimento reforça a expansão do mercado global da DL-metionina e enfatiza o claro compromisso da Evonik com a indústria. É uma medida que nos torna menos dependentes das variações do mercado, garantindo a importante segurança de fornecimento de DL-Metionina aos nossos clientes nas Américas e no restante do mundo”, reforçou.

Evonik otimismo aviculturaSegundo Teixeira, outro benefício desta expansão é que “ela reforça a posição de liderança em custos, o que viabiliza aumentos de capacidade de produção da metionina para apoiar o crescimento dos nossos clientes”, salientou o executivo lembrando a importância cada vez maior de se adotar estratégias nutricionais capazes de melhorar a eficiência produtiva do plantel animal, ou reduzir o custo da ração, que ainda despontam entre as preocupações de empresas e produtores.

 

Melhoria de desempenho

Para a avicultura, setor onde a nutrição representa até 80% dos custos de produção, é estratégico lançar mão de uma dieta equilibrada, com o menor custo, produzindo ovos e carne que atendam aos requerimentos do consumidor moderno, maximizando o lucro e atendendo às exigências ambientais e de bem-estar animal, pontua o executivo.

Evonik otimismo aviculturaEle destaca que a energia é responsável por aproximadamente 50% do custo da ração, o que significa um terço de todo o custo da produção de aves. “A energia já é o nutriente mais caro na formulação de dietas de aves e isso é improvável de mudar dada a forte concorrência por fontes de energia disponíveis para alimentação humana”, afirmou.

Assim, Teixeira salienta que especialistas da companhia defendem uma estratégia nutricional com uso de ácido guanidinoacético (GAA), precursor da creatina.

“Estudos conduzidos em diversos países mostraram benefícios não apenas no campo, como também no abatedouro. O GuanAMINO® contribuiu com uma importante redução dos custos da ração, manteve o desempenho das aves no campo, melhorou o rendimento de peito e reduziu a incidência de miopatias no frigorífico”, anunciou.

Neste cenário, ele reforça que os clientes da Evonik conhecem bem a empresa e a veem como um parceiro confiável e com o qual podem contar nesses momentos desafiadores.

“A Evonik é mundialmente conhecida por sua confiabilidade e excelência no atendimento aos clientes e assim continuaremos em 2023, sempre buscando oferecer as melhores soluções e uma parceria de longo prazo que seja benéfica para todos”.

anúncio Evonik

Acesse o site!!

PDF

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE AVÍCOLA

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Os podcasts do setor agrícola em português
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agrícolaagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor agrícola e da pecuária
agrinews play