16 nov

O que é necessário para uma boa Biosseguridade em incubatórios?

Em produção de aves, um Programa de Biosseguridade significa o desenvolvimento e implementação de um conjunto de normas operacionais rígidas que terão a função de proteger as aves contra a introdução de quaisquer tipos de agentes infecciosos. Veja aqui o que diz Geise Linzmeier, Coordenadora Técnica Aves na Boehringer Ingelheim.

O que é necessário para uma boa Biosseguridade em incubatórios?

Em produção de aves, um Programa de Biosseguridade significa o desenvolvimento e implementação de um conjunto de normas operacionais rígidas que terão a função de proteger as aves contra a introdução de quaisquer tipos de agentes infecciosos.

MAS QUAIS SERIAM ESSAS CONDIÇÕES?

Um dos pontos de atenção, que constantemente passa por ameaças de patógenos devido às condições climáticas no interior do ambiente, circulação de pessoas, tráfego de veículos de diversos locais e entrada de materiais, é o incubatório.

Biosseguridade em incubatórios

O que é necessário para uma boa Biosseguridade em incubatórios?

Incluir um processo de biosseguridade no incubatório é essencial para prevenir a entrada de patógenos e fazer o gerenciamento dos principais vetores.
Biosseguridade em incubatórios

Biosseguridade em incubatóriosBiosseguridade em incubatóriosAlém disso, um processo de biosseguridade eficiente impede o transporte de patógenos para o interior do incubatório para que não ocorra a contaminação cruzada.

Conversamos com a Médica Veterinária Geise Linzmeier, que compõe a equipe técnica da Boehringer Ingelheim, empresa que oferece produtos e serviços técnicos para a sanidade animal. Confira!

O QUE É NECESSÁRIO PARA UMA BOA BIOSSEGURIDADE EM INCUBATÓRIOS?

Essa não é uma pergunta simples de responder. O Ambiente de incubatório, devido à temperatura e umidade, é ideal para a sobrevivência de microrganismos como bactérias, esporos de fungos, principalmente do gênero Aspergillus, que entram em instalações através dos ovos contaminados, resíduos e através de materiais, disseminando-se rapidamente para todo o ambiente se não forem adotados programas adequados.

Biosseguridade em incubatórios

QUAIS OS PONTOS IMPORTANTES PARA GARANTIR UMA BOA BIOSSEGURIDADE EM INCUBATÓRIOS?

BiosseguridadeLOCALIZAÇÃO E BARREIRA

São conjuntos de fatores importantes para a prevenção da ocorrência de algumas doenças, principalmente aquelas transmitidas pelo ar. Segundo a Instrução Normativa No 56, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 Art. 21 II – estar protegido por:

cercas de segurança e

vias de acesso distintas de veículos e pessoas,

uma entrada para material limpo e desinfectado a ser utilizado na produção e

outra para a retirada de descartes e demais refugos de produção;

 

Biosseguridade em incubatórios

Estabelecer procedimentos para a desinfecção de veículos, na entrada e na saída do estabelecimento avícola.

Biosseguridade em incubatórios

Distâncias mínimas entre o estabelecimento avícola e outros locais de risco sanitário devem seguir 3km (três quilômetros) entre um estabelecimento avícola de reprodução e abatedouros de qualquer finalidade, fábrica de ração, outros estabelecimentos avícolas de reprodução ou comerciais.

Biosseguridade em incubatórios

Em estabelecimentos preexistentes, poderão ser admitidas pelo SEFAG/SEDESA-SFA, e baseado em avaliação do risco para a sanidade avícola, alterações nas distâncias mínimas, em função da:

adoção de novas tecnologias,

existência de barreiras naturais (reflorestamento, matas naturais, topografia) ou artificiais (muros de alvenaria) e

utilização de técnicas de manejo e

medidas de biossegurança diferenciadas que dificultem a introdução e a disseminação de agentes de doenças.

Biosseguridade em incubatórios

DESINFECÇÃO E UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS

Todos os equipamentos ou materiais de trabalho dos incubatórios devem estar limpos e desinfetados antes de entrar nos ambientes. Esta desinfecção pode ser feita de maneira seca ou úmida, de acordo com os materiais a serem desinfectados.

Cuidados com controles e acesso de pessoas são pontos de alerta para biosseguridade:

Biosseguridade em incubatóriosO acesso de visitantes é algo que precisa ser controlado e monitorado. As políticas de acesso ao incubatório devem exigir o registro dos dados daqueles que entram na instalação no caderno de visitas.

Biosseguridade em incubatóriosTodos ao entrarem na planta de incubação devem obrigatoriamente tomar banho completo, com intuito em eliminar grande parte de quaisquer patógenos que possam ser levados para ao incubatório.

Biosseguridade em incubatóriosO processo de banho consiste em lavar os cabelos e todo o corpo com produto detergente, utilizando escovas para higienização das unhas, tanto das mãos quanto dos pés e assoar o nariz e limpar por completo os chinelos.

 

Quando falamos em Biosseguridade, a limpeza e a desinfecção são pontos chaves para Biosseguridade:

Biosseguridade em incubatórios

Agentes desinfetantes são substâncias usadas para:

controlar, prevenir ou destruir microrganismos prejudiciais (como bactérias e fungos) e

inativar vírus em objetos inanimados e superfícies.

BiosseguridadeEm outras palavras, a limpeza e a desinfecção são procedimentos totalmente separados.

A instalação deve ser limpa e, posteriormente, pode ser desinfetada. Após o término do processo de limpeza, há necessidade que o ambiente esteja limpo e seco para então iniciar a desinfecção.

Todos os cuidados de limpeza e desinfecção preconizados devem ser adotados também para os caminhões de transporte de ovo e de pintos, sendo indicado inclusive Biosseguridadesua avaliação periódica dentro do programa de monitoramento sanitário do incubatório.

Avaliação de parâmetros sanitários são fundamentais para o bom desempenho do incubatório?

O monitoramento microbiológico faz parte do controle de qualidade, tendo por finalidade avaliar a carga microbiológica ali existente, sendo eles avaliados da superfície de seus equipamentos e dos ovos, a fim de avaliar se as medidas sanitárias adotadas estão sendo eficazes no controle destes microrganismos.

Biosseguridade em incubatórios

A MATÉRIA PRIMA QUE SÃO OS OVOS, PODE SER UMA DISSEMINADORA DE PATÓGENOS?

A resposta é sim, ela pode ser. Pois os ovos incubáveis que chegam, quando não de boa qualidade devido a manejo inadequado ou uma desinfecção não realizada dentro dos padrões, tendem a carregar patógenos e, consequentemente, contaminar os demais ovos no incubatório.

Biosseguridade em incubatórios

Biosseguridade em incubatóriosRoedores são uma ameaça a biosseguridade?

Sempre, e devido a isso, em torno do incubatório a vegetação deve ser mínima e com um controle rígido contra roedores e insetos, sendo necessário sempre estar em alerta quanto aos vestígios da presença destes animais.

Um programa de controle de pragas deve ser sempre registrado. Iscas ou armadilhas para roedores devem ser inspecionadas e trocadas com frequência semanal ou quinzenal.

Para finalizar, pessoas são os elementos chave para o sucesso de um programa de biosseguridade. Todos, indistintamente, devem entender perfeitamente por que biosseguridade é importante e com fazê-la. Biosseguridade é disciplina e comprometimento.

Biosseguridade em incubatórios
Biosseguridade

 

Boehringer Ingelheim BR
CONTEÚDO DE Boehringer Ingelheim BR
Relacionado com Biossegurança

REVISTA AVINEWS BRASIL

Assine agora a melhor revista técnica sobre avicultura

EDIÇÃO aviNews Brasil 3T 2022
Destinação correta das aves de descarte de reprodução, matrizes e de postura de ovos comerciais no final do ciclo

Destinação correta das aves de descarte de reprodução, matrizes e de postura de ovos comerciais no final do ciclo

Gustavo Triques
Importância da monitoria dos programas vacinais de Gumboro e Newcastle: Qual melhor momento da rotação de programa?

Importância da monitoria dos programas vacinais de Gumboro e Newcastle: Qual melhor momento da rotação de programa?

Tobias Filho
ICC: a inovação que alimenta o amanhã

ICC: a inovação que alimenta o amanhã

A importância dos dados Zootécnicos para as granjas produtoras de ovos

A importância dos dados Zootécnicos para as granjas produtoras de ovos

Diogo T. Ito
Vigilance Program uma poderosa ferramenta contra a Escherichia coli patogênica aviária

Vigilance Program uma poderosa ferramenta contra a Escherichia coli patogênica aviária

Fabrizio Matté
Alternativas de cereais para substituição parcial do milho na ração de aves – Parte II

Alternativas de cereais para substituição parcial do milho na ração de aves – Parte II

Dr. Elir Oliveira
Protocolo vacinal no incubatório e uniformidade do lote ampliam a produtividade avícola

Protocolo vacinal no incubatório e uniformidade do lote ampliam a produtividade avícola

Joyci Torres
EVANOVO®, a vacina que vai revolucionar a prevenção da Coccidiose aviária

EVANOVO®, a vacina que vai revolucionar a prevenção da Coccidiose aviária

Você está pronto para a Transformação Digital na avicultura?

Você está pronto para a Transformação Digital na avicultura?

Vinicius Teixeira
Extensão Rural: a força que vem do campo!

Extensão Rural: a força que vem do campo!

Kali Simioni
6ª FAVESU destaca os desafios e as oportunidades da Avicultura Nacional

6ª FAVESU destaca os desafios e as oportunidades da Avicultura Nacional

Juliano Rangel
A promoção que apoia as exportações

A promoção que apoia as exportações

Isis Sardella
O compromisso setorial e o papel de cada elo no Brasil

O compromisso setorial e o papel de cada elo no Brasil

Luis Rua
A jornada da sustentabilidade nas propriedades avícolas

A jornada da sustentabilidade nas propriedades avícolas

Luciana Abeid Ribeiro Dalmagro
Produção com responsabilidade

Produção com responsabilidade

Cleber Souza Martins
A Biosseguridade na avicultura

A Biosseguridade na avicultura

Tabatha Lacerda
Diferença na Fisiologia Embrionária entre as linhagens de Matrizes pesadas

Diferença na Fisiologia Embrionária entre as linhagens de Matrizes pesadas

Guilherme Seelent
Por que medir a taxa de fluxo (vazão) do bebedouro Nipple?

Por que medir a taxa de fluxo (vazão) do bebedouro Nipple?

Como atender à crescente demanda por proteínas livres de antibióticos?

Como atender à crescente demanda por proteínas livres de antibióticos?

Patrícia Marchizeli
Aerossaculite em frangos de corte: onde se iniciam e quais são os fatores envolvidos?

Aerossaculite em frangos de corte: onde se iniciam e quais são os fatores envolvidos?

Jorge Chacón

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE AVÍCOLA

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Os podcasts do setor agrícola em português
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agrícolaagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor agrícola e da pecuária