26 jun 2024

Uma reavaliação dos aminoácidos na nutrição de frangos de corte

Explorando a importância dos aminoácidos na nutrição de frangos, focando na digestão, captação intestinal e renovação proteica.

Uma reavaliação dos aminoácidos na nutrição de frangos de corte

A busca pelo desenvolvimento de dietas com redução de proteína bruta enfatiza a dicotomia entre aminoácidos ligados a proteínas e não ligados a proteínas (sintéticos, cristalinos) no que diz respeito à dinâmica digestiva. A captação intestinal de aminoácidos e sua transição através dos enterócitos ao longo do intestino delgado para entrar na circulação portal é uma área pouco compreendida.  

  •  Concentrações de aminoácidos em dietas 

A tarefa de ajustar as concentrações de aminoácidos dietéticos às necessidades específicas de aminoácidos dos frangos de corte de rápido crescimento é vital, mas altamente desafiadora. Além disso, essa precisão é fundamental para a sustentabilidade econômica e ambiental da produção de carne de frango. No entanto, o metabolismo de proteínas e aminoácidos em aves é complexo e interage com outros macronutrientes, como amido e lipídios. (Liu et al., 2019 ). 

Inicialmente, esta reavaliação analisa as concentrações de aminoácidos nas dietas oferecidas a frangos de corte, que são definidas na prática por proporções ideais de proteína ou proporções ideais de aminoácidos (IAAR). Essas proporções são adotadas na formulação de dietas de “menor custo” com base em aminoácidos digestíveis. As proporções ideais de aminoácidos foram refinadas ao longo de décadas desde o desenvolvimento de uma dieta de referência de aminoácidos por Dean e Scott (1965), que se baseava essencialmente na composição de aminoácidos da carcaça de frangos de corte isentos de gordura. 

Os papéis funcionais dos aminoácidos, além de seu envolvimento como blocos de construção da proteína esquelética, são outro fator complicador. Wu (2009) nomeou arginina, cisteína, glutamina, leucina, prolina e triptofano como aminoácidos funcionais, pois participam e regulam vias metabólicas importantes, que foram revisados ​​em Wu (2013). 

Continue após a publicidade.

A metionina e a cisteína são aminoácidos proteinogênicos contendo enxofre e a metionina pode ser convertida em cisteína por meio da via de transsulfuração no fígado e nos folículos das penas (Brosnan e Brosnan, 2006). A metionina é geralmente o primeiro aminoácido limitante nas dietas de frangos de corte e a inter-relação entre metionina e cisteína, ou aminoácidos sulfurados totais (TSAA), tem sido há muito tempo o foco dos nutricionistas de frangos de corte (Sasse e Baker, 1974). 

 

A digestão das proteínas em aves começa no proventrículo, onde as secreções de pepsina e HCl quebram as proteínas em polipeptídeos. No duodeno, várias enzimas pancreáticas (tripsina, quimiotripsina, carboxipeptidase e elastase) são liberadas para transformar os polipeptídeos em pequenos fragmentos peptídicos. Esses fragmentos são então convertidos em di- e tri-peptídeos (ou oligopeptídeos) pela ação da aminopeptidase e dipeptidase na membrana apical dos enterócitos. (Moran, 2016). A captação intestinal de oligopeptídeos é conduzida por meio do transportador Pept-1 (Zwarycz e Wong, 2013) em combinação com o trocador Na + /H +, NHE (Thwaites et al., 2002).  

É importante ressaltar que os aminoácidos são absorvidos principalmente como oligopeptídeos (Krehbiel e Matthews, 2003) e suas captações intestinais via Pept-1 são rápidas e energeticamente eficientes (Daniel, 2004 ). A probabilidade é que essa dicotomia nas taxas de absorção intestinal gere desequilíbrios de aminoácidos pós-enterais. Um desequilíbrio de aminoácidos pode ser definido como qualquer alteração nas proporções de aminoácidos dietéticos que resultem em efeitos adversos (Kurpad, 2018) e os efeitos adversos dos desequilíbrios de aminoácidos em frangos de corte foram vividamente demonstrados por Swatson et al.,2002). 

As digestibilidades de aminoácidos são tradicionalmente determinadas a partir da digesta retirada do íleo distal. Embora essa abordagem elimine a interferência da fermentação no intestino posterior, ela desconsidera que a absorção de aminoácidos ocorre principalmente no intestino delgado anterior. De fato, 71,1% da proteína (N) é absorvida antes do ponto médio do jejuno Macelline et al. (2022). Além disso, os coeficientes de digestibilidade ileal de aminoácidos são medidas estáticas e não refletem as taxas, locais e extensões de absorção ao longo do intestino delgado. É provável que fontes de proteína ‘rápidas’ beneficiem o crescimento dos frangos de corte (Liu e Selle, 2015). 

O trato gastrointestinal consome aproximadamente 20% de toda a energia recebida (Cant et al.,1996  e tanto os aminoácidos quanto a glicose são oxidados na mucosa intestinal para atender a essa demanda. A glutamina e a glicose produzem proporções semelhantes de energia em ratos, com a probabilidade de que a energia seja derivada mais eficientemente da glicose (Fleming et al., 1997). A proporção de aminoácidos da dieta que são catabolizados pode se aproximar de 20%, já que o fluxo portal líquido de NH3 foi responsável por 18% do N total de aminoácidos em dietas para leitões (Stoll et al., 1998). O ácido glutâmico, a glutamina e a glicose foram identificados como substratos energéticos preferenciais em frangos de corte (Watford et al., 1979 ); no entanto, permanece a possibilidade de que aminoácidos adicionais sejam catabolizados para fornecimento de energia na mucosa intestinal, como é o caso em porcos (Stoll et al., 1999 ). 

 Assim, parece haver uma "razão catabólica" de aminoácidos para glicose para fornecimento de energia na mucosa intestinal. Se as estratégias nutricionais pudessem manipular essa razão para que mais glicose sofresse catabolismo, segue-se que mais aminoácidos seriam poupados para entrar na circulação portal e se tornariam disponíveis para agregação de proteína e a energia seria derivada de forma mais eficiente da glicose. O amido lentamente digerível pode tornar mais glicose disponível como um substrato energético alternativo em segmentos caudais do intestino delgado, poupando assim os aminoácidos do catabolismo na mucosa intestinal. Há indicações de que isso pode ocorrer em frangos de corte (Enting et al., 2005 ; Weurding et al., 2003) e que o amido de digestão lenta é vantajoso (Herwig et al., 2019). No entanto, nossa compreensão do destino metabólico dos aminoácidos na mucosa intestinal das aves é inquestionavelmente incompleta. 

Dentre estes aspectos, há uma necessidade de identificar as deficiências em nossa compreensão para que elas possam ser corrigidas. A absorção intestinal de aminoácidos e sua transição através dos enterócitos ao longo do intestino delgado para entrar na circulação portal é uma área que é mal compreendida e necessita de maior atenção. 

 

O artigo original e completo pode ser acessado em https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/00439339.2023.2234342?src=recsys . Acesso aberto e gratuito.

Selle, P. H., Macelline, S. P., Chrystal, P. V., & Liu, S. Y. (2023). A reappraisal of amino acids in broiler chicken nutrition. World’s Poultry Science Journal, 79(3), 429–447. https://doi.org/10.1080/00439339.2023.2234342 

Relacionado com Nutrição Animal

REVISTA

Assine agora a melhor revista técnica sobre avicultura

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE AVÍCOLA

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Os podcasts do setor agrícola em português
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agrícolaagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor agrícola e da pecuária