11 jun 2024

Rovabio® PhyPlus – Rápido, poderoso e termoestável

Rovabio® PhyPlus otimiza a digestão de nutrientes para melhor desempenho animal.

Rovabio® PhyPlus - Rápido, poderoso e termoestável

Características chave de uma fitase para otimizar a biodisponibilidade do fósforo e outros nutrientes em animais monogástricos

  • Fósforo: um nutriente essencial com baixa biodisponibilidade em ingredientes de origem vegetal utilizados em rações

O fósforo desempenha importantes funções nos animais:

  • Desenvolvimento ósseo, junto ao cálcio;
  • Participação na dupla camada de fosfolipídios da membrana celular, que protege a célula e permite a ocorrência de processos metabólicos celulares; e
  • A participação no metabolismo energético celular através da adenosina trifosfato (ATP).

Até 80% do fósforo total nos ingredientes de origem vegetal pode ser armazenado como fitato. O fitato (mio-inositol hexafosfato - IP6) é composto por um açúcar de inositol ligado a seis grupos de fósforo, tendo esses fósforos baixa biodisponibilidade.

O fitato também exerce um forte efeito antinutricional ao interagir com minerais e proteínas nas dietas, tornando-os indisponíveis para a digestão, além de poder inibir enzimas digestivas endógenas.

Portanto, o fitato tem um impacto negativo geral na digestibilidade dos alimentos e, consequentemente, no desempenho animal. No entanto, as fontes e concentrações de fitato são variáveis nos ingredientes vegetais (Figura 1).

Continue após a publicidade.

Figura 1. Teor de Fósforo Fítico em ingredientes de origem vegetal (%) analisados via PNE da Adisseo (Precise Nutrition Evaluation)

 

As fitases são enzimas capazes de hidrolisar o fitato e liberar fósforo inorgânico. O mecanismo de reação enzimática começa por cortar as moléculas de fósforo do IP6. Quase 100% do IP6 pode ser liberado, mas para outros IPs, a taxa de liberação depende do tipo de enzima (6- ou 3-fitase), da fonte utilizada e da dose.

Uma boa fitase pode liberar quase 80% do fósforo a partir dos IPs

A atividade da fitase é comumente expressa como FTU, definida como a quantidade de enzima necessária para liberar 1 µmol de fósforo inorgânico a partir do fitato de sódio por minuto a um pH de 5,5 a 37°C.

É importante ressaltar que o nível de pH no estômago dos suínos, bem como na moela e proventrículo dos frangos de corte, está muito abaixo de um pH de 5,5. Isso significa que a atividade in vivo “exata” da fitase pode ser diferente da atividade padrão medida.

Portanto, para reduzir eficientemente os efeitos antinutricionais do fitato e melhorar a captação de fósforo através do trato gastrointestinal, a fitase precisa ser altamente ativa e rápida em condições de pH baixo (ambiente ácido), especialmente na parte superior do trato digestivo: no proventrículo e na moela de aves e no estômago de suínos.

A cinética da degradação in vitro do fitato foi caracterizada comparando as três principais fitases do mercado de rações para animais, incluindo Rovabio® PhyPlus, a nova fitase da Adisseo. Os resultados demonstraram que Rovabio® PhyPlus foi capaz de degradar quase todo o IP6 nos primeiros 30 minutos, o que, por sua vez, levou a uma alta liberação de fósforo inorgânico.

No geral, a liberação de fosfato com Rovabio® PhyPlus foi superior à de duas outras fitases líderes no mercado (Figura 2). Uma atividade rápida permite que os efeitos antinutricionais do fitato sejam reduzidos de forma mais eficiente, e isso pode melhorar a disponibilidade de aminoácidos e outros minerais, além de P e Ca.

Figura 2. Comparação do fósforo liberado por três tipos de fitase a 37,5°C e um pH de 3,5

Rovabio® PhyPlus tem-se mostrado poderoso em liberar um alto nível de fósforo em testes de digestibilidade, de desempenho produtivo ou um ensaio de equivalência mineral.

Ensaio de equivalência de fósforo foi realizado com 2.400 frangos de corte machos Ross 308 alimentados com dietas à base de milho, trigo e farelo de soja, permitindo determinar quantidade de fosfato monocálcico (FMC) correspondente a um determinado nível de suplementação de fitase.

 

A conversão alimentar diminuiu linearmente com o aumento do fósforo na dieta, seja por aumentar o FMC ou utilizar uma fitase para melhorar a digestibilidade do fitato.

A suplementação da dieta basal com 0,18% de Pdis + 1000 FTU/kg de fitase (Rovabio® PhyPlus) mostrou-se equivalente à suplementação de uma dieta com 0,36% ou 0,45% de Pdis sem fitase (Figura 3).

Figura 3. Índice de conversão alimentar de acordo com os níveis de fósforo disponível e as doses de Rovabio® PhyPlus

O nível de 1000 FTU/kg de dieta parece ser ideal nestas condições experimentais, embora tenha sido possível observar uma tendência de diminuição na conversão alimentar com suplementação de 1500 ou 2000 FTU de fitase/kg de dieta.

Assim, os resultados indicam que Rovabio® PhyPlus permite ajustar a inclusão de fosfato monocálcico em dietas de frangos, além de reduzir a excreção de fósforo no meio ambiente, garantindo uma produção avícola mais rentável e sustentável.

As fitases são proteínas cujas estruturas tridimensionais se rompem quando atingem altas temperaturas, reduzindo sua atividade enzimática, sendo a termoestabilidade crucial na fabricação do alimento.

As enzimas são muito heterogêneas em termos de temperatura de fusão e termoestabilidade intrínseca. Devido ao seu processo de síntese e produção mista, a nova geração de 6-fitase biossintética Rovabio® PhyPlus possui uma termoestabilidade intrínseca particularmente alta.

O ponto de fusão desta enzima é alcançado em torno de 101°C e, após 2 horas a 80°C, sua atividade atinge 90% do seu nível inicial (Figura 4, dados internos da Adisseo).

Figura 4. Recuperação da fitase Rovabio® PhyPlus submetida a 80°C por 120 minutos.

Além de suportar o processamento agressivo de rações quando aplicado em forma de pó, Rovabio® PhyPlus também demonstrou uma recuperação muito boa em sua forma líquida, quando dosado diretamente no misturador. Isso proporciona uma maior economia e flexibilidade na fábrica de rações.

O fósforo naturalmente presente na dieta dos animais é pouco digerível e absorvível. Na indústria de produção animal, o uso da fitase é uma prática comum para substituir as fontes inorgânicas de fósforo e combater os efeitos antinutricionais dos fitatos. No entanto, nem todas as fitases são iguais. Uma fitase rápida, poderosa e termoestável como Rovabio® PhyPlus é uma ferramenta chave para otimizar os custos, a eficiência alimentar e a sustentabilidade da produção de aves e suínos.

Relacionado com Nutrição Animal

MAIS CONTEÚDOS DE

Rovabio® PhyPlus – Rápido, poderoso e termoestável Dados da empresa

REVISTA

Assine agora a melhor revista técnica sobre avicultura

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE AVÍCOLA

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Os podcasts do setor agrícola em português
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agrícolaagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor agrícola e da pecuária