05 set 2022

Impactos do estresse térmico sobre a saúde intestinal de frangos de corte

As elevadas temperaturas registradas no Brasil todos os anos geram um desafio para o setor, pois os animais de produção, aves, suínos e ruminantes, são suscetíveis ao estresse térmico.

Impactos do estresse térmico sobre a saúde intestinal de frangos de corte

Em muitas regiões ao redor do mundo, as condições climáticas podem ser inimigas da produção de proteína animal, prejudicando o desempenho dos animais e ocasionando prejuízos financeiros.

As elevadas temperaturas registradas no Brasil todos os anos geram um desafio para o setor, pois os animais de produção, aves, suínos e ruminantes, são suscetíveis ao estresse térmico.

Neste sentido, é preciso manter os animais em condições de temperatura e umidade que se enquadrem nas condições de conforto térmico de cada espécie para que os mesmos consigam expressar seu máximo potencial de desempenho.
impactos do estresse térmico na saúde intestinal
O estresse térmico é uma resposta fisiológica do efeito combinado da alta temperatura ambiente e da alta umidade relativa do ar. O aumento da umidade relativa do ar, independente da temperatura, sempre prejudica o bem-estar animal e é provável que provoque o estresse térmico.
O estresse térmico ocorre quando o animal está fora de sua zona termoneutra e luta para regular sua temperatura corporal. Consequentemente, a saúde, o bem-estar e o desempenho dos animais são afetados negativamente.

As raças de aves modernas são mais propensas ao estresse térmico do que as raças antigas devido:

Ao seu maior consumo de ração,

Altas taxas metabólicas,

Aumento da produção basal de calor metabólico,

Crescimento rápido e um alto nível geral de produtividade.

Continue após a publicidade.

Além disso, as aves não possuem glândulas sudoríparas e a pele é eficientemente isolada por penas, impedindo a perda de calor.

As aves tentam se adaptar ao estresse térmico aumentando sua taxa respiratória, levantando as asas, aumentando a temperatura corporal e reduzindo a atividade.

impactos do estresse térmico na saúde intestinal

Para remover o calor do corpo, o fluxo sanguíneo é direcionado para longe do trato gastrointestinal (TGI) em direção à pele, crista e barbela, prejudicando a absorção de nutrientes.

impactos do estresse térmico na saúde intestinal
Adicionalmente, para reduzir a produção de calor metabólico as aves reduzem o consumo de ração. Todavia, a combinação desses fatores prejudica o desempenho das aves.
impactos do estresse térmico na saúde intestinal

O estresse térmico e a inflamação intestinal andam lado a lado acarretando consequências negativas sobre a função de barreira intestinal, prejudicando a integridade intestinal e aumentando os riscos de translocação bacteriana do lúmen intestinal para a corrente sanguínea.

O impacto do estresse térmico em frangos de corte pode ser mensurado utilizando diferentes fatores, como:

Citocinas pró-inflamatórias (resposta inflamatória),

Corticosterona (resposta ao estresse),

FITC-dextran ou proteínas das tight junctions (marcadores para integridade intestinal) e, claro,

Desempenho, incluindo o consumo de ração.

Em um cenário de proibições e restrições do uso de antibióticos como promotores de crescimento somado aos desafios que as condições ambientais proporcionam, a busca por alternativas naturais está alinhada com a demanda do mercado.

Os aditivos fitogênicos, como os extratos vegetais, se enquadram perfeitamente com esta demanda e são considerados uma alternativa promissora.

O extrato da planta Macleaya cordata é considerado um aditivo fitogênico composto por alcaloides isoquinolínicos (IQs), como a sanguinarina, e possui efeitos positivos sobre o controle da inflamação intestinal e da função de barreira intestinal, refletindo na melhora dos parâmetros de desempenho zootécnico.

Pesquisas científicas comprovam seus efeitos em frangos de corte sob condições de estresse térmico, aumentando o ganho de peso e melhorando a conversão alimentar das aves, além de diminuir a permeabilidade intestinal melhorando a função de barreira intestinal.

impactos do estresse térmico na saúde intestinalCom o objetivo de avaliar os efeitos dos IQs em frangos de corte criados sob condições naturais de estresse térmico, 720 frangos machos Ross 308 foram aleatoriamente distribuídos em três tratamentos:

  1. controle negativo (NC),
  2. IQs60 (60 ppm IQs), e
  3. IQs100 (100 ppm IQs).

As aves foram mantidas em baias em um galpão aberto durante o verão em uma área de clima tropical. Durante o período de teste de 42 dias, a temperatura variou entre 33,0 e 35,0°C, enquanto a umidade variou entre 70 e 75%. No dia 35, 8 aves por tratamento foram sacrificadas para avaliar o estado inflamatório e de estresse, bem como a integridade intestinal.

impactos do estresse térmico na saúde intestinalPara a avaliação da inflamação intestinal foi mensurada a expressão de genes inflamatórios no íleo (NF-κB e TNF-α). O NF-κB é um fator que ativa a transcrição de genes imunomoduladores de citocinas pró-inflamatórias, como o TNF-α.

Os resultados demonstraram que frangos de corte criados sob condições de estresse térmico alimentados com IQs apresentaram redução (P<0,05) da expressão tanto de NF-κB quanto de TNF, indicando o efeito anti-inflamatório dos IQs.

Como consequência, a integridade intestinal foi melhorada, conforme indicado pelos níveis mais baixos do FITC-dextran (P<0,05), uma vez que o FITC-dextran só consegue passar do lúmen intestinal para a corrente sanguínea se a integridade intestinal estiver prejudicada (Figura 1).

impactos do estresse térmico na saúde intestinal

Os mecanismos de ação dos IQs responsáveis pelos resultados demonstrados anteriormente já foram cientificamente comprovados. A sanguinarina, por exemplo, inibe as Na+/K+ ATPases celulares, que são importantes contribuintes para a termogênese e, portanto, pode fornecer uma abordagem para mitigar o estresse térmico.

Além disso, a sanguinarina têm propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias que podem neutralizar o estresse oxidativo, a inflamação e a ruptura da mucosa do TGI prevalentes durante o estresse térmico. O efeito anti-inflamatório dos IQs está na sua capacidade de inibir a ativação do NF-κB e assim interromper as etapas subsequentes da resposta inflamatória.

Corticosterona é um hormônio liberado durante a resposta ao estresse e sua concentração plasmática pode ser utilizada para mensurar o nível de estresse dos animais. As aves alimentadas com IQs apresentaram níveis plasmáticos de corticosterona reduzidos (P<0,05) em condições de estresse térmico, indicando redução dos níveis de estresse.

Como resultado do controle da inflamação, da melhora da integridade intestinal e da redução do estresse, o consumo de ração e o peso vivo final dos frangos de corte alimentados com IQs foram estatisticamente superiores (P<0,05), resultando em um melhor desempenho (Figura 2).

impactos do estresse térmico na saúde intestinal

Logo, podemos afirmar que estresse térmico está associado à inflamação intestinal, integridade intestinal prejudicada e pior desempenho.

Todavia, os IQs diminuem a inflamação e a permeabilidade intestinal e o estresse, resultando na melhora dos parâmetros de desempenho, como maior consumo de ração e peso vivo.

Portanto, concluímos que os IQs são capazes de mitigar os impactos negativos do estresse térmico em frangos de corte e são uma alternativa que está alinhada com a demanda global por produtos naturais e livre de antibióticos.
impactos do estresse térmico na saúde intestinal
logo Phytobiotics

Acesse o site!!

Relacionado com Patologia e Saúde Animal

MAIS CONTEÚDOS DE

Dados da empresa

REVISTA AVINEWS BRASIL

Assine agora a melhor revista técnica sobre avicultura

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE AVÍCOLA

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Os podcasts do setor agrícola em português
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agrícolaagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor agrícola e da pecuária